e21 no FIC 2017

Nos dias 5 e 6/10, aconteceu em Porto Alegre mais uma edição do Festival de Interação e Comunicação – FIC. Neste ano, o festival trabalhou com a proposta de realizar o encontro entre a indústria criativa e a economia de experiência. O evento contou com mais de 30 nomes e marcas debatendo tendências, quinze stands e 1300 participantes nos dois dias do festival. E para marcar presença, tivemos três profissionais da e21 participando deste festival, agregando conhecimento e trazendo feedbacks super interessantes sobre o que ouviram e viram por lá.

Abaixo, confira o que os profissionais da e21 acharam do FIC 2017:

“Gostei muito do formato do evento, tinham muitas opções que te deixam até confusa, pois a vontade é de participar de tudo. No geral, fiz boas escolhas, onde consegui em um dia sair com aprendizado, aspiração, motivação e até admiração pelo trabalho tecnológico e inovador de muitas pessoas que nem conhecia, mas que são muito boas.”

Larissa Bittencourt

 
“O evento contava com uma estrutura ótima, inclusive com stand da Google, em que apresentava um óculos de realidade virtual, com possibilidade de experimentação do público. Escolhi assistir algumas palestras com foco maior em tecnologia e experiência. Uma das palestras que mais gostei foi "A era dos Algoritmos", realizada pelo Ricardo Capra (cientista de dados chefe na Capra data Cience), que abordou o tema com total propriedade, relatando
sobre como auxiliar empresas e pessoas a tomarem decisões através de inteligência analítica. Somos todos geradores de dados e, como ele mesmo falou na palestra ", seu dia a dia consiste em transformar o dado capturado em algo útil para o tomador de decisão. Eventos como este, são extremamente importantes para o crescimento profissional, pois proporciona um momento de reflexão sobre as milhares de possibilidades de comunicação em
nossa área, e amplia a visão do mercado, seja pelas tecnologias apresentadas no evento ou pela troca de experiência recebida pelos palestrantes.”

Paola Correa

 
“O FIC foi muito rico por conta da quantidade de conteúdo e informações que rolaram nesses dois dias. As palestras eram dinâmicas e com um bom aprofundamento, o que não deixou o evento nem um pouco monótono. As palestras que mais gostei foram a do Gustavo Borba, que trouxe uma ótima analogia de como a natureza se comporta de acordo com o seu público alvo, e também a palestra do  Pierre Mantovani/CCXP, que mostrou como uma empresa pode se renovar e criar suas próprias oportunidades, se tornando referência de inovação em seu mercado atuante.”

Luana Mello